sábado, 18 de março de 2017




O ascetismo em nossos dias


                     

Por Gilberto Lima



A palavra de Deus aos colossenses 2. 20-23 dita pelo apostolo Paulo ressoa prolongadamente ainda em nossos dias. Ao mesmo tempo que o liberalismo teológico ronda a igreja querendo a matar, líderes corrompidos de pouco a pouco inculcam essa inverdade. A igreja de Deus precisa estar atenta a este desiquilíbrio teológico, mas precisa estar atenta também aos exageros do ascetismo religioso, do legalismo que falsamente mostra santidade.



No oriente Antônio (250 – 356) é geralmente visto como o fundador do monasticismo. Aos vinte anos de idade, ele vendeu seus bens, deu dinheiro aos pobres e se retirou para uma solitária caverna no Egito para levar uma vida de meditação. Sua vida de¹ santidade deu lhe tamanha reputação que outros passaram a viver perto dele em outras cavernas. Como nunca organizou esses seguidores numa comunidade, cada um praticava a vida ascética de um eremita dentro de sua própria caverna.



O líder inconteste do monasticismo ocidental foi Bento de Núrsia (480 – 543). Chocado com a vida pecaminosa de Roma, ele se retirou pra viver como eremita numa caverna nas montanhas orientais de Roma, por volta do ano 500. Em 529, fundou o mosteiro de monte Cassino, que permaneceu em atividade até a segunda guerra mundial, quando foi bombardeado. Logo, vários mosteiros estavam sob sua liderança, seguindo seu plano de organização, trabalho e culto, isto é, seguindo as regras de sua ordem. Cada mosteiro era considerado uma¹ unidade auto-suficiente e autodirigida, como uma guarnição de Cristo. O dia era dividido em período no quais leitura, adoração e trabalho tinham papel importante. Os regulamentos que ele elaborou previam pouca alimentação para os monges, mas permitiam fartura de peixe, azeite, manteiga, pão, vegetais e frutas em sua dieta. Essa ordem, que ensinava a pobreza, a castidade e a obediência, constituiu-se numa das mais importantes ordem da idade Média. Levada à Inglaterra, Alemanha e França no século VII, tornou se universal ao tempo de Carlos Magno. Foi a ordem-padrão no ocidente por volta do ano 1.000.



Dentro de mosteiro ou não sempre existia exageros, e que exageros diga se de passagem! Existiam anacoretas pessoas que viviam afastadas de tudo, longe da sociedade, outro grupo conhecido como cenobíticos viviam isolado da sociedade, mas em mosteiros. Preciso ressaltar que alguns monges viviam em contato com pessoas na questão de solidariedade e generosidade. E muito, por exemplo que se aprendeu na agricultura vem desses monges em mosteiros que aprendiam a forma do cultivo.



O anacoreta se isolava do mundo e da sua política, se ausentando em um ascetismo inútil muitas vezes. Eles viviam em torre, um deles conhecido como Simeão estilista (390-459), depois de viver enterrado por vários meses, resolveu alcançar a santidade assentando-se em numa estaca. Ele passou mais de trinta anos no topo de uma coluna de dezoito metros, perto de Antioquia.  Outros viviam no campo e pastavam como bois. Um certo Amom conseguiu alguma fama de santidade por jamais ter se despido ou tomado banho depois que se tornou eremita. Um outro andou nu nas proximidades do monte Sinai durante 50 anos. Estes, entretanto, eram apenas a facção fanática do movimento e eram encontrados mais no oriente do que no ocidente.



Entretanto, muitos anos se passaram, mas, o ascetismo continua bem ativo em nossos dias. O ascetismo é a religião que vira fanatismo, farisaísmo condenado por jesus em seus dias aqui na terra, judaísmo ascético do tempo de Paulo, fanatismo asceta na época medieval e agora em nossos dias legalismo destruidor, graça barata e ignorância no cristianismo.



O povo erra em não conhecer as escrituras, a ignorância tem tomado conta do cristianismo; mais que cristianismo? É possível conhecer a Cristo sem conhecer sua graça? Porque auto se flagelar o corpo? Porque jejuar tanto sem conhecer o verdadeiro jejum?



Primeiro quero deixar bem claro que essa pratica de ascetismo e seus derivados nem sempre tiveram presente no cristianismo, até porque cristianismo nunca ensinou isso, portanto, é uma deturpação do santo evangelho de Deus. Mas quero viajar ao antigo testamento no tempo por exemplo dos canaanitas que tinham seus deuses e sacrificavam seus próprios corpos, ofereciam seu filhos como sacrifício. Lembra do profeta Elias quando pediu que fogo descesse para ascender o altar? Os profetas de Baal também fizeram preces, quando o deus deles nada podia fazer, eles auto se flagelaram, se cortando, se sacrificando. Elias não precisou fazer isso, pois Deus ouviu sua oração. Não precisamos nos sacrificar como muitos tem feito por aí, subindo monte de joelhos, subindo montanhas com galões de água nas costas, dizendo que vão jejuar por você. Olha! Não é bem assim, fiquemos atentos a palavra de Deus, Jesus disse que quando for jejuar não deixem que seus rostos fiquem abatidos como se quisessem que os outros vissem que estivesse jejuando, então ele pede pra lavar o rosto a fim de que os outros não vejam. Se fizermos um voto não devemos tardar em cumprir, mas subir escadas de joelhos para pagar promessas, andar de joelho nu ensanguentado por quilômetros e quilômetros, e sempre que feito isso, tem uma câmera sempre mostrando, mas, Jesus disse o contrário, quando fores orar, feche a porta de seu quarto e fale em secreto com Deus ele te ouvirá e se quiser responderá suas suplicas.



Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêssemos no mundo, vos sujeitai a ordenanças: não manuseeis isto, não proveis aquilo, não toque aqueloutro, segundo os preceitos e doutrina dos homens? Pois que todas essas coisas, com o uso, se destroem. Tais coisas, com efeito, tem aparência de sabedoria, como culto de si mesmo, e de falsa humildade, e de rigor ascético; todavia, não tem valor algum contra a sensualidade. (Colossenses 2.20-23)


O Rev. Hernandes Dias Lopes afirma; O apostolo Paulo sintetiza o ascetismo em três proibições: não manuseies, não proves, e não toques. Embora ²devemos cuidar do nosso corpo como templo do espirito e trata-lo com disciplina para não sermos desqualificados. O ascetismo é uma falácia. Ele é fruto do entendimento errado da filosofia grega. É enganosa a ideia de que a matéria é má e de que, sendo o nosso corpo matéria, ele precisa ser castigado e privado dos prazeres. O nosso corpo, protege-o, sustenta-o, salva-o e o glorificará.



Willian Hendriksen diz; em vez do ascetismo² ser um remédio contra a satisfação dos desejos da carne, os fomenta e os promove. Porque isso? O verso 20 diz que nós morremos com Cristo e para os rudimentos do mundo, morrer para o mundo é morrer para o pecado. Então porque estamos sujeitos as ordenanças de homens sujeitando seus preceitos e suas doutrinas? Homens que dizem não façam isso, não provem aquilo, não manuseeis aqueloutro, essas coisas com o uso se destroem, tais coisas com efeitos tem aparência de sabedoria, mais no fundo é culto a si mesmo e tá cheio de falsa humildade. Isso nada mais é que ascetismo. Muitas igrejas querem e se preocupam tanto com uso e costumes, mas não se preocupam com o que está sendo pregado em seus púlpitos, não se preocupam com o ensino. A vida que jesus nos deu foi pra viver prazerosamente, tudo feito com ação de graças podemos comer porque quem santifica é Deus. Não é meu modo de viver que vai dizer quem eu sou, mas meu caráter diante de uma geração corrompida. Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado.
Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo.
Colossenses 2:16,17



O perigo desse ascetismo é a falsidade, quando o religioso se põe em um grau de santidade, em que ele acha que santidade estar no modo de comer, beber ou se vestir ele começa a fazer julgamento em seu coração acerca de determinada pessoa, irmão e parente. A nossa circuncisão não estar na aparência e sim no coração, na aparência é obra da carne, no coração é o Espirito Santo que opera e faz a obra.



O legalismo nos tira as coisa da criação a qual Deus nos deu para que vivêssemos prazerosamente, devemos aproveitar a criação com simplicidade sempre agradecendo a Deus. Cada país tem sua cultura no modo de se vestir, beber e comer. Há pessoas que morrem de vontade de praticar esporte, mas não fazem porque acham pecado, e o benefício do exercício onde fica? Tem pessoas que morrem de vontade de ir no mar tomar um banho, só não vão porque se sentem envergonhado porque o legalismo não deixa ao menos colocar um traje de banho descente. Em cristo morremos para os rudimentos do mundo, morremos para o pecado, devemos sempre lutar pela família e seus valores. Deus não nos chamou pra vivermos como anacoretas, longe da sociedade, porque valores e princípios partem do cristianismo, esses valores só vão adiante quando o cristianismo é infiltrado dentro da sociedade. A igreja, o povo que vive isolado não progride, a religião que se isola é seita. Mas nós somos o corpo de Cristo vivendo no mundo, mas ainda não fomos retirados dele. Portanto caminhemos pregando e vivendo o evangelho de Cristo vivendo e desfrutando da criação de Deus.



Fico com as palavras do Rev. Hernandes Dias Lopes em seu livro o comentário sobre colossenses;
Novamente podemos ouvir o eco da palavra de Cristo aos fariseus: “Hipócritas! Bem profetizou Isaias a vosso respeito, dizendo: este povo honra-me ²com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Mt.15.7-9) Há pessoas que relativizam a palavra de Deus e absolutizam regras e preceitos humanos. Os usos e costumes tornam se mais importantes do que as escrituras”.



O ascetismo tem aparência de sabedoria e humildade, mas não tem valor algum diante de Deus. É um sacrifício inútil. É um culto de si mesmo, uma² religião feita para si mesmo. Tem uma piedade falsa e fingida. Tratava-se de uma inovação barata, de fabricação própria, de um culto falsificado. Ele não tem valor espiritual nenhum. É um engano. Não torna ninguém mais santo. Paulo diz que as regras rigorosas dos ascetas “não tem valor algum contra a sensualidade” (Col. 2.23). Nenhum amontoado de regras religiosas pode mudar o coração do homem. Somente o Espirito santo pode fazê-lo.  



¹ o cristianismo através dos séculos - Earle E. Cairns, pag. 130, 131 e 132
² Colossenses-Hernandes Dias Lopes- pag. 153, 154 e 155






Postar um comentário